Escalabilidade

Sabemos que começar um novo negócio requer tempo, planejamento, e também um pouco de coragem. E concordamos, afinal é imprescindível pensar no futuro, antes mesmo de dar o primeiro passo. O novo negócio vai depender das escolhas e da base fornecida na hora de escalá-lo.

Nesse momento as decisões definirão se o crescimento da empresa será ativo e sem sofrimentos. Quando falamos em crescimento, falamos também em expansão. Caso a organização tenha os recursos certos, mas não possua uma boa gestão expandir poderá sair da lista de objetivos.

Um exemplo: o que a Netflix e o Spotify têm em comum? Elas são empresas escaláveis.

Foi a escalabilidade que permitiu que uma boa ideia, com pouco investimento, tivesse um alcance tão grande. Assim como o Airbnb, Uber e iFood.

Mas afinal, o que é escalabilidade?

O crescimento faz parte da realidade do empresário, mas, mesmo sendo esse um ponto positivo, as mudanças da expansão trazem consequências para a empresa. A escalabilidade é isso: reagir bem e se adequar a essa nova realidade sem sofrer com problemas operacionais ou até mesmo de gestão.

E não basta apenas dar conta das mudanças, é preciso crescer junto a elas. É isso que tornará a escalada mais saudável e evitará as consequências negativas que podem vir com o desenvolvimento. O caminho para o sucesso é um negócio escalável, já que é esse tipo de empresa que costuma atrair maiores investimentos devido ao seu poder de crescimento e desenvolvimento.

Quando pensamos em escalabilidade, precisamos entender também de que forma cada negócio vai se comportar e como vai crescer. Para isso, devemos destacar dois conceitos importantes: escalabilidade horizontal (out) ou vertical (up).

 

- Escalabilidade horizontal (out).

Nesse modelo a principal meta de uma empresa é ser referência em seu segmento. Exemplo: você não quer ser uma agência de publicidade que atende apenas escolas, você quer abranger uma grande variedade de clientes, de diversos mercados, e quer ser líder em marketing e comunicação no país.

A atuação deve ser ampla e efetiva, gerando mais vendas.

 

- Escalabilidade vertical (up).

Na escalabilidade vertical a empresa quer crescer, mas dentro do seu segmento. Por exemplo, você tem uma empresa que vende sandálias, a proposta é que você venda uma maior variedade de calçados para abranger as demandas desse mercado. Você estará escalando, mas dentro do seu mercado principal, apenas para ter maior extensão, com mais produtos e serviços.

Mas o que uma empresa precisa para ser escalável?

Para ser escalável são necessários alguns requisitos básicos, coisas específicas, repetitivas, mas que irão expandir a forma como a organização atua no mercado.

Segue então, algumas das características de empresas escaláveis:

1. O custo não pode crescer de forma proporcional à receita;

2. Empresas escaláveis tem baixo Custo de Aquisição de Cliente (CAC), ou seja, não se pode gastar muito para conquistar novos clientes. Esse cálculo deve ser feito somando todas as despesas dos times de marketing e vendas e dividindo isso pelo número de clientes conquistados;

3. Para ser escalável é preciso ser repetível, ampliável e fácil de ensinar e replicar;

4. Os objetivos da empresa devem ser claros e tangíveis.

 

Existem vários caminhos para buscar a escalabilidade, por meio de ferramentas e práticas, atreladas a uma gestão que prepare o caminho para o crescimento.

Esse conceito, hoje, domina o mercado, porque é através dele que é possível chegar ao sucesso rápido, com produtos inovadores e venda otimizada.

Para tornar um negócio mais preparado para a expansão, confira algumas dicas de como tornar uma empresa escalável:

1. Definir os objetivos.

Sim, num negócio escalável os objetivos melhoram e se transformam no meio do trajeto, mas é necessário ter um objetivo claro proporcional ao investimento que se irá fazer. Ser realista com o que se tem hoje e aonde quer chegar. Neste momento, ter certeza de que há mercado, a empresa possui tecnologia como aliada da gestão e também, que os recursos que se tem no momento são suficientes.

2. Planejamento estratégico.

Para crescer e manter o crescimento, é necessário fazer a gestão estratégica do negócio. É através dele que uma empresa estará preparada para cada novo passo e aumento de demanda. Um planejamento estratégico é baseado em metas de curto, médio e longo prazo, e deixa cada departamento preparado para cumprir os objetivos que levarão a empresa até onde se quer chegar.

3. Tecnologia a seu favor.

Softwares de gestão acompanham o crescimento de um negócio de forma organizada e rápida.

Com o SGE da Insoft, o aumento de dados não é problema, porque o armazenamento é expansível. Então, é o software de gestão perfeito para os negócios escaláveis.

4. Terceirizar para qualificar.

Terceirizar é um dos melhores caminhos para ter serviços qualificados por um custo menor. E não é só por isso.

Com a terceirização os funcionários podem se concentrar em decisões muito mais estratégicas e o negócio pode escalar com uma equipe que vai acompanhar esse crescimento.

5. Melhoria é um ato contínuo.

Não parar, nunca. A empresa deve estar em constante movimento para ser escalável. Observar o ritmo que as coisas mudam, crescem, inovam. É preciso acompanhar essa movimentação e saber transformar o negócio quando necessário for.