Compliance Fiscal

O Brasil é conhecido por ter um sistema cujas regras tributárias mudam frequentemente, fazendo com que as organizações tenham bastante dificuldade na hora de absorver e gerir essas mudanças. É justamente em meio a esse contexto que surge o compliance fiscal. O objetivo de sua adoção é tornar mais transparente todas as atividades empresariais, de modo que uma companhia tenha um nome forte no mercado, sem jamais se envolver em irregularidades de qualquer natureza.

A seguir vamos explicar melhor o compliance fiscal, a sua importância e os riscos que a empresa pode ter se não adotar essa prática.

 

O que é compliance fiscal?

A palavra compliance vem do verbo em inglês to comply, que significa estar em conformidade com algo, além de estar diretamente relacionado à chamada governança corporativa.

Logo, a prática consiste em políticas que uma empresa adota para se adequar às legislações vigentes, de modo a evitar quaisquer irregularidades ou falta de transparência nas suas ações. Uma companhia pode criar um setor exclusivo de compliance ou aproveitar a estrutura setorial já existente, como delegar as atividades ao departamento de RH.

 

Qual é a importância do compliance fiscal?

Uma consequência da adoção do compliance fiscal está no valor agregado que a prática pode prover ao negócio. Uma vez que os profissionais prezam pela boa organização e pelo gerenciamento da parte fiscal, a empresa tende a se consolidar no mercado, impactando a confiança de clientes, fornecedores e investidores.

O compliance fiscal implica em vários benefícios, entre os principais:

- Melhor controle de entregas, pois a empresa recolhe os seus impostos dentro do prazo estabelecido;

- Armazenamento de documentos otimizado, de modo a evitar problemas como extravios e lentidão na hora de acessá-los pelo sistema;

- Preenchimento correto de notas fiscais, mitigando o risco de informações inconsistentes que podem ser interpretadas pelo Fisco como sonegação de impostos.

 

Quais são os riscos de não cumprir o compliance fiscal?

Mesmo que o setor fiscal tenha profissionais experientes e capacitados, ainda assim o uso do compliance é recomendado. A não implementação de políticas que assegurem a conformidade e a transparência pode implicar em riscos como:

- Multas e penalidades, pelo não recolhimento de tributos dentro do prazo;

- Processos internos lentos e ineficientes;

- Uma vez que a legislação é complexa no Brasil, fica mais difícil de acompanhar as mudanças quando não se adota o compliance fiscal;

- A reputação da empresa pode ficar comprometida, o que em última instância tende a levar o negócio à falência.

 

Como podemos te auxiliar no compliance fiscal?

O nosso SGE possui o módulo financeiro e fiscal, responsáveis por simplificar processos, permitindo o acompanhamento dos fluxos de caixa e a realização de auditorias.

Por meio deles, a empresa consegue reduzir e gerenciar melhor os seus custos, de modo a viabilizar um crescimento sustentável. Além disso, as operações passam a ser feitas com mais transparência.

O compliance fiscal ajuda as empresas a gerenciar melhor a saúde financeira, de modo a estarem em conformidade com todas as legislações tributárias. Dessa forma, os riscos de pagar impostos fora do prazo reduzem bastante, contribuindo para o negócio obter maior credibilidade no mercado, além de poder crescer e expandir o volume de suas operações.